Tecnologia em Nutrição Vegetal

Os Fertilizantes Especiais, os Condicionadores de Solo e os Substratos para Plantas compõem os segmentos de “Tecnologia em Nutrição Vegetal” representados pela Abisolo.

Esta indústria se destaca, entre outros fundamentos, pelo investimento contínuo em Pesquisa & Desenvolvimento. O crescimento do setor e o aumento do índice de adoção das suas tecnologias pelos agricultores demonstram a importância cada vez maior desta indústria nos resultados de Qualidade, Produtividade e Sustentabilidade da produção agrícola brasileira.

Clique nos links abaixo e conheça melhor as definições que caracterizam os produtos das indústrias representadas pela Abisolo:

Segmentos que representamos

São produtos que apresentam na sua formulação alguma característica adicional que os diferenciam dos fertilizantes convencionais, promovendo melhor desempenho, estabilidade, eficiência ou facilidade de manejo.
Podem ser Minerais ou Orgânicos, sólidos ou fluidos e utilizados nos mais diversos tipos de aplicação: via solo, foliar, fertirrigação, hidroponia ou semente.

Para os Orgânicos estão neste grupo os produtos que trazem outros benefícios além do fornecimento de nutrientes, incluindo os Biofertilizantes.

No caso dos Fertilizantes Minerais são considerados “especiais” aqueles que além de fornecer os nutrientes sejam formulados com aditivos, agentes complexantes ou quelantes; aqueles que são 100% hidrossolúveis; e os de liberação controlada.

São produtos de natureza fundamentalmente orgânica, obtido por processo físico, químico, físico-químico ou bioquímico, natural ou controlado, a partir de matérias-primas de origem industrial, urbana ou rural, vegetal ou animal, enriquecido ou não de nutrientes minerais;
De acordo com suas características e modo de obtenção, os fertilizantes orgânicos podem ser classificados em: Simples, Mistos, Compostos, Organominerais e Biofertilizante. Quanto a origem das matérias-primas utilizadas na sua produção (com exceção do Biofertilizantes) eles são classificados em:
Classe “A”: produto que utiliza, em sua produção, matéria-prima gerada nas atividades extrativas,
agropecuárias, industriais, agroindustriais e comerciais, incluindo aquelas de origem mineral, vegetal, animal,
lodos industriais e agroindustriais de sistema de tratamento de águas residuárias com uso autorizado pelo
Órgão Ambiental, resíduos de frutas, legumes, verduras e restos de alimentos gerados em pré e pósconsumo,
segregados na fonte geradora e recolhidos por coleta diferenciada, todos isentos de despejos ou
contaminantes sanitários, resultando em produto de utilização segura na agricultura; Podem ser utilizados
como matéria-prima para a produção de fertilizante orgânico Classe “A”, os resíduos provenientes de
serviços públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos, desde que estes serviços contemplem
a segregação na fonte geradora e a coleta diferenciada de resíduos em, no mínimo, três frações: resíduos
orgânicos, resíduos recicláveis e rejeitos, evitando qualquer tipo de contaminação sanitária.
Classe “B”: produto que utiliza, em sua produção, quaisquer quantidades de matérias-primas orgânicas
geradas nas atividades urbanas, industriais e agroindustriais, incluindo a fração orgânica dos resíduos sólidos
urbanos da coleta convencional, lodos gerados em estações de tratamento de esgotos, lodos industriais e
agroindustriais gerados em sistemas de tratamento de águas residuárias contendo qualquer quantidade de
despejos ou contaminantes sanitários, todos com seu uso autorizado pelo Órgão Ambiental, resultando em
produto de utilização segura na agricultura.
Quanto a sua natureza física, podem ser sólidos ou fluídos, e podem ser utilizados para aplicação via: Solo,
Folha, Fertirrigação, Hidroponia e Semente.

São produtos de natureza fundamentalmente orgânica, obtido por processo físico, químico, físico-químico ou bioquímico, natural ou controlado, a partir de matérias-primas de origem industrial, urbana ou rural, vegetal ou animal, nos quais são adicionados fontes de nutrientes minerais, contribuindo para a melhoria das características químicas, físicas e biológicas do solo, além do fornecimento de nutrientes para as plantas.

Produto usado como meio de crescimento de plantas.

Produto que promove a melhoria das propriedades físicas, físico-químicas ou atividade biológica do solo, podendo recuperar solos degradados ou desequilibrados nutricionalmente;

Os condicionadores de solo integrantes do portfólio das nossas indústrias são:

I – Classe A: produto que em sua fabricação utiliza matéria-prima de origem vegetal, animal ou de processamentos da agroindústria, onde não sejam utilizados no processo o sódio (Na+), metais pesados, elementos ou compostos orgânicos sintéticos potencialmente tóxicos;
II – Classe B: produto que em sua fabricação utiliza matéria-prima oriunda de processamento da atividade industrial ou da agroindústria onde o sódio (Na+), metais pesados, elementos ou compostos orgânicos sintéticos potencialmente tóxicos são utilizados no processo;
III – Classe C: produto que em sua fabricação utiliza qualquer quantidade de matéria-prima oriunda de lixo domiciliar, resultando em produto de utilização segura na agricultura;
IV – Classe D: produto que em sua fabricação utiliza qualquer quantidade de matéria-prima oriunda do tratamento de despejos sanitários, resultando em produto de utilização segura na agricultura;
V – Classe “E”: produto que em sua fabricação utiliza exclusivamente matéria-prima de origem mineral ou química; e
VI – Classe F: produto que em sua fabricação utiliza em qualquer proporção a mistura de matérias-primas dos produtos das Classes A e E, respectivamente dos incisos I e V.

Produtos que contém princípio ativo ou agente orgânico, isento de substâncias agrotóxicas, capaz de atuar, direta ou indiretamente, sobre o todo ou parte das plantas cultivadas, elevando a sua produtividade, sem ter em conta o seu valor hormonal ou estimulante, subdivido nos seguintes grupos:

a) Biofertilizante de Aminoácidos: Produto obtido por fermentação ou hidrólise de materiais orgânicos naturais;
b) Biofertilizante de Substâncias Húmicas: Produto obtido por decomposição e solubilização de materiais orgânicos e posterior oxidação e polimerização, formadas basicamente por ácidos húmicos, ácidos fúlvicos e huminas;
c) Biofertilizante de Extratos de algas ou algas processadas: Produto obtido por extração e beneficiamento de algas;
d) Biofertilizante de Extratos Vegetais: produto obtido por extração de compostos orgânicos solúveis da fermentação ou beneficiamento de materiais orgânicos, isentos de contaminação biológica;
e) Biofertilizante Composto: Produto obtido pela mistura de dois ou mais biofertilizantes dos grupos de aminoácidos, substâncias húmicas, extratos de algas, extratos vegetais e outros princípios ou agentes orgânicos aprovados