Redgleive Martins Motta, tradicional produtor de abóbora, melancia e café e dono da Fazenda Fortuna, localizada em Medeiros Neto, na Bahia, há cerca de um ano e meio passou a investir na produção de cana-de-açúcar.

Ele está satisfeito com os resultados do sistema de gotejamento enterrado nesta cultura, que alcançou uma produtividade de cerca de 190 toneladas por hectare em sua primeira colheita.

A alta produtividade e a economia de recursos, além da facilidade de manejo e da longevidade, são as principais partes positivas do gotejamento enterrado para os produtores de cana-de-açúcar”, afirma Elídio Torezani, diretor da Hydra Irrigações, responsável pelo projeto de Redgleive.

 

Gotejamento enterrado

A irrigação por gotejamento enterrado promove diversos benefícios aos canaviais, como a distribuição de água em quantidade correta e no tempo ideal, o que minimiza os gastos e o desperdício do recurso natural.

O sistema enterrado permite as operações de tratos de colheitas mecanizadas sem risco ao equipamento. Essa irrigação propicia a longevidade da cultura, passando a períodos de renovação muito mais longos.

Normalmente, estes ciclos são de 5 a 7 anos. Existem sistemas de gotejamento enterrados que já estão com ciclos de 21 anos sem necessidade de renovação”, explica o engenheiro agrônomo Elídio Torezani.

 

Fonte: Agrolink (23/10/2019) | Por: AGROLINK COM INF. DE ASSESSORIA

Ilustração: Alimento foto criado por welcomia – br.freepik.com